Os Confins: a relação entre o confinamento e a tatuagem

Nesse artigo, o artista Taiom trata sobre a relação entre confinamento e a tatuagem.

-

Dentro de limites, cercado, isolado, recluso, separado dos outros, impedido de ultrapassar certa demarcação. A situação física, de um corpo que não pode sair de onde está, passa a ser também psicológica.
“Não há saída, não tenho tenho como fugir” são sentenças que se impõem nessas condições e geram dúvidas sobre o ser e o fazer. “Como não enlouquecer?” Perguntamos diante da indeterminação imposta, à partir da privação.
Imaginar. Criar na mente ideia do que é/foi/ou será lá fora. A ânsia por contato, por diálogo, por comunicar, ou mesmo por ter escolha, ter o domínio do seu próprio destino — do seu próprio corpo, faz pulsar uma antiga necessidade humana de contar, registrar, materializar o que se deseja ou o que se sente falta:

Saudade.
Paixão.
Crença.

Dar forças ao corpo para que resista ao distanciamento — ainda que temporário. O indivíduo é coletivo (e vice-versa) e quando privado do convívio, é natural que o busque de outras maneiras, que se comunique ainda que consigo mesmo.

E tatuar é a forma de gravar no corpo seu desejo-memória, de lembrar-se para sempre. Ato tão natural desde… (sempre?) que não o deixaria de ser nessas situações. Fica evidente a ligação com o confinamento dado a presença constante (historicamente) nesses ambientes onde o relógio anda em câmera lenta (“tic, tac, ainda é nove e quarenta”).
Como nos conta Silvana Jeha no livro “Uma História da Tatuagem no Brasil”, boa parte dos registros das tatuagens na cultura ocidental vem desses espaços de restrição. É certo que tais marcas não se limitam a estar ali, mas lá se fazem quase que necessárias, tamanha a importância que lhe atribui quem as carrega.
E o confinamento pode se fazer de inúmeras maneiras, que não só na óbvia associação com o cárcere.
Nos quartéis e seus alojamentos de regras rigorosas, soldados exibem suas tatuagens como condecorações de méritos, memórias de amor a pátria e aos seus, e sinais de bravuras. Os navios em suas infindáveis jornadas ao mar foram a um só tempo ambientes propício ao ato e difusores dessas marcas na cultura ocidental. Até mesmo a discriminação social que desloca pessoas para as margens, relegando-as a áreas restritas da cidade, podem ter inspirados estes sujeitos a se tatuarem, pois nas margens da sociedade ocidental foi por onde ela mais se difundiu.

Também não é a toa que cadeias e prisões do mundo todo compartilhem os tais sinais, a ponto de serem vistas como uma subcultura dentro da própria história da tatuagem. Nas cadeias russas, nas prisões francesas, nos cárceres da América central e do Norte, também no Brasil e em todos os lugares, correm ainda que proibido pelas autoridades e mesmo sem os meios mais adequados para fazê-las. Tamanha é a vontade de se ter o corpo marcado que se recriam e adaptam instrumentos capazes de tornar permanentes os anseios mais humanos.

E que vontade é essa que atravessa o tempo e o espaço, e mesmo em situações adversas, pulsa com tal força capaz de transpor limitações e expandir-se até quando posta em confinamento?

O que é que nos move a romper a fronteira da carne e deixar marcas tão duráveis e efêmeras quanto nosso próprio corpo?

O que encontramos no confinamento que incita essa ligação do íntimo com o ancestral e com a permanência?

É preciso expandir e aprofundar o olhar sobre essa prática que nos acompanha desde muito tempo e que ainda é pouco entendida — apesar de muito consumida. Sua história é tão diversa quanto sua origem e seus meios, e até os dias de hoje é ensinada basicamente como uma tradição oral, contada de uns aos outros, apesar de aparecerem cada vez mais descobertas arqueológicas e estudos direcionados a entender a tatuagem em sua pluralidade.
E pelo fato da tatuagem não ser devidamente institucionalizada – por exemplo, tatuador não é uma profissão reconhecida no Brasil – abre um campo muito maior de investigações onde, cada um que se conecta com a prática de alguma maneira, pode contribuir com essa cultura multiforme e em constante transformação.

* Silvana Jeha é autora do livro Uma História da Tatuagem no Brasil (Editora Veneta, 2019)


TAIOM é tatuador, artista e pesquisador. Seu estudo volta o olhar ao corpo como agente social em construção, que se posiciona e grava suas ações, seja como indivíduo ou coletivo.

Esse texto foi publicado também na revista acadêmica Rebento (UNESP) e você pode conferir nesse link.


TAIOMhttp://www.taiom.org
TAIOM nasceu em Brasília, cresceu em Belém e atualmente vive e trabalha entre Brasília e São Paulo. Pesquisa a tatuagem como linguagem artística transdisciplinar, de onde parte em estudos no desenho, performance, história, antropologia e arqueologia, buscando zonas-limites e interseções entre saberes. Direciona o olhar ao corpo como agente social em construção, que se posiciona e grava suas ações, seja como indivíduo ou coletivo. Tem atenção especial com as margens destes sistemas políticos e artísticos e as imagens que por aí se formam. Bacharel em Artes Plásticas pela Universidade de Brasília, também atua como tatuador profissional há 16 anos no Brasil e na Europa, onde participou de diferentes congressos e exposições, como O que não é floresta é prisão política, Galeria ReOcupa, (São Paulo, 2019) e CHEAP street poster art festival (Bologna, 2018).

Mais desse autor

Mais Recentes

Debby Mota: Um corpo livre em constante movimento

Conheça Debby Mota, artista especialista em artes afro e indígenas.

A Ciência por trás do processo de tatuar

Como o pigmento é um corpo estranho para o nosso organismo, ele pode causar reação alérgica ou não, saiba mais aqui!

Lugares mais doloridos do corpo

Os níveis de dores podem ser diferentes para cada organismo, leia mais aqui!

Publicidade

Mais Populares

Queloide ou granuloma? Entenda a diferença!

Apareceu uma bolinha no seu piercing? Se sim, a primeira coisa que vem à nossa mente é a tão temida queloide. Mas, na maioria das vezes, o caso se trata de um granuloma.

O significado da tatuagem de borboleta

Pra você que ama esse animal da nossa fauna e flora, vem ver qual o significado da tatuagem de borboleta carrega em seus desenhos! Você vai se surpreender!

84 inspirações de tatuagens femininas

As tatuagens mais lindas que você vai ver hoje, e tudo isso para te inspirar na sua próxima tattoo.