Pam Sernaiotto: tatuagens Geeks Aquareladas

A artista Pam Sernaiotto criou uma Batalha Pokémons para lançar seus desenhos no Instagram e transformá-los em tatuagens. Você pode ter o seu, vem ver!

-

À primeira vista, quando observamos o trabalho maravilhoso de Pam Sernaiotto, temos a certeza de que a artista, natural de Praia Grande, litoral de São Paulo, nasceu tatuando e traçando personagens com toques de Aquarela. Mas, ao longo dessa nossa entrevista com a Pam, você vai descobrir que ela até bem pouco tempo trabalhava com Advocacia e que usar cores não era uma verdadeira facilidade para ela.

A artista conta que na sua infância e adolescência sempre desenhou. Mas confessa que amava desenhar com lápis e não era muito fã de colorir seus desenhos. Na escola, entre uma matéria e outra, Pam desenhava nos livros os rostos dos amigos. Da escola, decidiu cursar faculdade de Direito por falta de opções mais artísticas na época.

“Não era tão acessível optar por Design ou se sustentar ilustrando para jogos ou qualquer coisa do gênero. E, também, por rolar uma pressão interna pra ser alguém bem sucedido financeiramente, optei por Direito. “

Como a faculdade demandava muito do seu tempo, Pam largou o desenho e qualquer forma de expressão artística. Depois de formada, passou na OAB e advogou por 4 anos, período em que se interessou por tattoo e acabou fazendo sua primeira tatuagem, no pescoço. “Foi nessa época em que notei como tatuagem era muito mal vista, principalmente na minha carreira. O preconceito, a falta de conexão com arte e outros detalhes da profissão me fizeram perceber que eu detestava cada minuto do meu dia como advogada e então eu criei coragem pra largar a profissão. Foi uma decisão muito difícil, eu confesso.”

Pam queria trabalhar com algo que de fato gostava e voltou a desenhar. “Como havia recentemente me interessado por tattoo, comecei a pesquisar sobre como ser uma tatuadora.”

A artista relembra que, como tudo isso aconteceu há uma década, não existiam muitos recursos, cursos, workshops, fóruns de discussão e redes sociais para que ela aprendesse. Sua dificuldade em entrar no mundo da tatuagem foi grande.

“Naquela época, eu procurei alguns tatuadores pra tentar ser aprendiz e inclusive ofereci pagar por aulas com dinheiro mesmo ou trabalhando no estúdio, mas a resposta que eu recebia era a mesma: eles se recusavam a ensinar mulheres, alegando que tatuagem era profissão de homens.”

Depois de algumas recusas, a artista teve a ideia de se tatuar para aprender: procurou um tatuador e fez várias tatuagens com ele. Usou essa experiência como uma espécie de workshop para entender como a coisa toda funcionava. Mas, mesmo assim, suas dúvidas eram muitas e Pam acabou desistindo da tatuagem no ano de 2010.

Sete anos depois, de mudança para a capital paulista, Pam reencontrou seu material de estudo e decidiu, mais uma vez, investir na tatuagem.

“Pesquisei um pouco e descobri vários grupos no Whatsapp e Facebook para tatuadores iniciantes, alguns exclusivamente femininos. Foi o empurrão que eu precisava para retomar esse sonho. Eu estava bem quebrada financeiramente, então, não tinha como pagar os cursos que existem atualmente. Mas, como sempre fui autodidata em tudo na vida, assim como no desenho, resolvi me arriscar com os materiais que encontrava pelo Youtube e através da troca que rolava entre as meninas nos grupos de tatuadoras iniciantes.”

Pam relembra que seu retorno para a tatuagem é recente e começou a se aventurar com cores com apenas 6 meses de tattoo. “O Blackwork não me prendia tanto quanto o colorido. Porém, foi bem difícil começar o estudo de cores. Eu nunca tinha pego em tintas na vida, nem estudado nada a respeito, então comecei realmente do zero. Quando comecei a estudar Aquarela me apaixonei e resolvi que queria fazer a mesma coisa na pele.”

TATUAGENS GEEKS E CULTURA POP

Pam Sernaiotto conta que além de se apaixonar por Aquarela, pôde incluir em seus trabalhos seu amor por cultura Pop e cultura Nerd. Essa temática é, hoje, o carro-chefe de suas produções na tatuagem.
“Eu pude inserir no meu trabalho algo que eu sempre amei: cultura pop e geek. Amo séries, filmes, jogos e animes e colocar isso no meu trabalho foi um sonho que virou realidade. Essa união de cores com personagens do mundo Geek, me trouxe clientes incríveis que estão comigo desde o início, criando uma relação de amizade e parceria com muitos deles.”

Ainda sobre os clientes, Pam revela que se sente grata e honrada por participar de suas histórias. “Tenho muita sorte de ter criado a carteira de clientes que tenho hoje, são histórias maravilhosas para contar através da arte na pele. Geralmente, quando você pensa em tattoo geek, acha que se trata somente de um personagem, como uma homenagem de fã. Mas as pessoas criam laços com aquela referência e conseguem aplicar a história daquele personagem na própria vida, para lidar com momentos complexos de uma forma mais saudável. É sobre superação e identificação muito mais do que homenagem.”

O ESTILO AQUARELADO

A artista afirma que não gosta muito de se limitar em algum estilo pré determinado de tatuagem. E hoje, é patrocinada por uma marca de referência no mundo da tatuagem graças às suas produções nada óbvias.

“Eu trabalho, num geral, com Aquarela, mas é uma Aquarela super saturada, então muita gente diz que não é a aquarela,” brinca a artista.

Pam também trabalha com coloridos blocados e faz Blackwork. “Prefiro misturar tudo isso e desenvolver um estilo diferente, sem uma definição. Acho que eu gosto mesmo de tatuagens saturadas e bem pigmentadas, a ponto da tattoo cicatrizada ficar o mais próximo possível da tattoo fresca ali no estúdio.”

A tatuadora reforça que sempre preza pela qualidade do trabalho cicatrizado e que gosta de composições harmônicas, com fluidez, evitando deixar a arte muito estática. “Mesmo que seja um personagem posando parado, a pintura de fundo e a composição para esse personagem permitem deixar tudo mais dinâmico e interessante.”

Da criação do desenho ao resultado final, Pam conta que tudo acontece com a participação ativa do cliente.

“O processo de criação é baseado em confiança pois eu não faço um desenho antes e envio para o cliente aprovar. Toda a criação daquela tattoo é feita no dia com os clientes. E no final, acaba sendo uma das partes que os clientes mais curtem do processo pois eles podem participar ativamente de todas as etapas da criação.”

Pam separa seu processo criativo em vários passos. Primeiro, a artista tira fotos do local do corpo que será tatuado e insere no programa de edição. Depois, cria esboços para o cliente em cima da foto. “Isso permite dar mais fluidez para a arte a ser criada. Às vezes, uso o próprio cliente como referência para poses dos personagens que eles querem tatuar. Acaba sendo bem divertido.”

A artista faz questão de que o cliente opine e participe durante esse processo. “Claro que uso meu olhar como artista para explicar o porquê de algo ficar melhor de uma forma ou de outra. O que importa é termos esse diálogo entre artista e cliente, isso faz com que o resultado final seja único e ainda saia como o cliente imaginou, sem fugir do meu estilo e com meus toques pessoais.”

Quando o projeto não inclui traços, ou seja, consiste apenas em cor e pinceladas de Aquarela, Pam conta que o processo é ainda mais divertido: “Eu crio no próprio corpo do cliente, free hand, utilizando pincéis e tintas direto na pele. Assim, o cliente já consegue visualizar como a tattoo irá ficar.”

POKEDEX

Imagine uma batalha de Pokémon em pleno Instagram. Agora, imagina que o Pokémon vencedor ainda vira uma ilustração e pode ir pra sua pele com os traços Aquarelados da Pam! Imaginou? Ela conta todos os detalhes dessa batalha pra gente:
“Eu queria desenvolver uma interação maior com meus clientes no Instagram, assim como no estúdio. Então o projeto nasceu da ideia de fazer com que os seguidores decidam qual vai ser a próxima arte que vou criar. E é claro que a temática escolhida ia ser Pokémons.”

Segundo a artista, o projeto segue o mesmo conceito da animação: o objetivo é capturar Pokémons. A diferença é que os clientes capturam seus Pokémons favoritos na pele. “Semanalmente, eu faço uma BATALHA POKÉMON nos meus stories: os seguidores precisam votar em um favorito, dentre duas opções que eu escolho. Depois de 24 horas, eu verifico o vencedor e desenvolvo uma arte exclusiva. Geralmente eu compartilho essa arte e abro reservas no dia seguinte.”

Dessa forma, a artista recebe inúmeras mensagens de clientes interessados em tatuar a arte do vencedor. “O que é mais interessante desse projeto é que a pessoa que tatua o Pokémon vencedor sempre tem uma história de identificação. Sem contar que ela também votou e se sente vitoriosa quando seu favorito vence. É muito legal isso!”

Pam já “capturou” mais de 10 Pokémons na pele de clientes, “o que é bem pouco, se você pensar na Pokedex inteira”, brinca a artista. Ela contou que está sendo uma experiência muito divertida poder interagir com os clientes e seguidores nesse formato.

E se você aí ficou morrendo de vontade de votar nessa batalha e de tatuar o seu Pokémon, pode correr lá no perfil da Pam Sernaiotto. A artista atende na cidade de São Paulo e está com a agenda concorrida. Tão concorrida que, em breve, ela irá se aventurar em terras internacionais. “Eu descobri que tenho potenciais clientes fora do país. Isso foi insano, eu não fazia ideia.”

Pam recebe clientes do Brasil todo e do mundo em seu estúdio paulistano. “Acho que o cliente mais distante veio de Los Angeles, achei incrível.” A tatuadora não sabia que tinha público fora do país, até o momento em que um casal de amigos que mora em Amsterdam contou sobre a demanda. “Eles perguntaram se eu planejava ir pra lá pois conheciam muitas pessoas que estavam apaixonadas pelo meu trabalho e queriam tatuar comigo”.

Além disso, sempre que Pam publicava enquetes no Instagram, notava que seguidores da Europa, Estados Unidos, Coréia e até Japão participavam ativamente e estavam interessadas em tatuar.

“Entrei em contato com um estúdio de Amsterdam que um amigo conhece e confia. Então comprei as passagens. Vou passar alguns dias desse ano de 2020 atendendo no estúdio Motorink.”

E desde que divulgou a agenda internacional, apareceram pessoas da Alemanha interessadas em tatuar com a Pam. “Então talvez acabe passando por lá com o meu trabalho também, quem sabe.”

E você, qual seu personagem preferido produzido pela artista?

Para acompanhar a artista, acesse:
Site: ​https://www.pamsernaiotto.com/
Instagram: ​https://www.instagram.com/pamsernaiotto







Fernanda Moraeshttps://blog.tattoo2me.com
Editora no Tattoo2me Magazine. Mãe do Zion e Jornalista, às vezes. Cultura Periférica, Indústria Cultural e Tatuagem.

Mais desse autor

Mais Recentes

Debby Mota: Um corpo livre em constante movimento

Conheça Debby Mota, artista especialista em artes afro e indígenas.

A Ciência por trás do processo de tatuar

Como o pigmento é um corpo estranho para o nosso organismo, ele pode causar reação alérgica ou não, saiba mais aqui!

Lugares mais doloridos do corpo

Os níveis de dores podem ser diferentes para cada organismo, leia mais aqui!

Publicidade

Mais Populares

Queloide ou granuloma? Entenda a diferença!

Apareceu uma bolinha no seu piercing? Se sim, a primeira coisa que vem à nossa mente é a tão temida queloide. Mas, na maioria das vezes, o caso se trata de um granuloma.

O significado da tatuagem de borboleta

Pra você que ama esse animal da nossa fauna e flora, vem ver qual o significado da tatuagem de borboleta carrega em seus desenhos! Você vai se surpreender!

84 inspirações de tatuagens femininas

As tatuagens mais lindas que você vai ver hoje, e tudo isso para te inspirar na sua próxima tattoo.