Escritores negros brasileiros: uma lista e tanto

É preciso que os próprios negros escrevam suas histórias. Por isso, listamos nessa matéria escritores negros brasileiros e suas literaturas.

-

Maquininha de cartão com desconto exclusivo para tatuador.
Maquininha de cartão com desconto exclusivo para tatuador.
Maquininha de cartão com desconto exclusivo para tatuador.
Maquininha de cartão com desconto exclusivo para tatuador.

É preciso se sentir confortável e ter propriedade para se contar uma história. Ou para se contar a história. Ninguém melhor do que você para falar da sua vivência, da sua realidade e experiência, não é mesmo? Sempre dizemos isso aos artistas que conversamos: Ninguém melhor para falar de tatuagem do que os próprios tatuadores.
E aproveitando a visibilidade que o movimento Vidas Negras Importam, produzimos essa matéria para te indicar escritores negros brasileiros. Para além de qualquer movimento, é preciso que se leia esses escritores mesmo quando o assunto principal do livro não seja o racismo.

Vamos lembrar: desde sempre os escritores negros existem, né? Machado de Assis é um escritor bem fresco em nossa memória e que muitas pessoas nem sabem que ele era um homem negro. Mais recente ainda, temos: Abdias do Nascimento, Carolina Maria de Jesus, Milton Santos… E escritores muito, muito recentes, que vivem no mesmo momento que vivemos, como Conceição Evaristo, Elisa Lucinda, Djamila Ribeiro, Lázaro Ramos, Silvio Almeida, etc.

É uma infinidade de escritores negros brasileiros e queremos apresentar alguns deles à você! Afinal, a literatura negra também importa.


1 – Silvio Almeida – Racismo Estrutural

“Nos anos 1970, Kwame Turu e Charles Hamilton, no livro “Black Power”, apresentaram pela primeira vez o conceito de racismo institucional: muito mais do que a ação de indivíduos com motivações pessoais, o racismo está infiltrado nas instituições e na cultura, gerando condições deficitárias a priori para boa parte da população. É a partir desse conceito que o autor Silvio Almeida apresenta dados estatísticos e discute como o racismo está na estrutura social, política e econômica da sociedade brasileira.”

Saiba mais!


2 – Sueli Carneiro – Escritos de Uma Vida

“A mulher negra é a síntese de duas opressões, de duas contradições essenciais a opressão de gênero e a da raça. Isso resulta no tipo mais perverso de confinamento. Se a questão da mulher avança, o racismo vem e barra as negras. Se o racismo é burlado, geralmente quem se beneficia é o homem negro. Ser mulher negra é experimentar essa condição de asfixia social.”

Leia agora!


3 – Conceição Evaristo – Olhos D`água

“Em Olhos d’água, Conceição Evaristo ajusta o foco de seu interesse na população afro-brasileira abordando, sem meias palavras, a pobreza e a violência urbana que a acometem. Sem sentimentalismos, mas sempre incorporando a tessitura poética à ficção, seus contos apresentam uma significativa galeria de mulheres: Ana Davenga, a mendiga Duzu-Querença, Natalina, Luamanda, Cida, a menina Zaíta. Ou serão todas a mesma mulher, captada e recriada no caleidoscópio da literatura em variados instantâneos da vida? Elas diferem em idade e em conjunturas de experiências, mas compartilham da mesma vida de ferro, equilibrando-se na “frágil vara” que, lemos no conto “O Cooper de Cida”, é a “corda bamba do tempo”. Em Olhos d’água estão presentes mães, muitas mães. E também filhas, avós, amantes, homens e mulheres – todos evocados em seus vínculos e dilemas sociais, sexuais, existenciais, numa pluralidade e vulnerabilidade que constituem a humana condição. Sem quaisquer idealizações, são aqui recriadas com firmeza e talento as duras condições enfrentadas pela comunidade afro-brasileira.”

Compre agora!


4 – Djamila Ribeiro – Quem tem medo do feminismo negro? 

Quem tem medo do feminismo negro? reúne um longo ensaio autobiográfico inédito e uma seleção de artigos publicados por Djamila Ribeiro no blog da revista Carta Capital , entre 2014 e 2017. No texto de abertura, a filósofa e militante recupera memórias de seus anos de infância e adolescência para discutir o que chama de “silenciamento”, processo de apagamento da personalidade por que passou e que é um dos muitos resultados perniciosos da discriminação. Foi apenas no final da adolescência, ao trabalhar na Casa de Cultura da Mulher Negra, que Djamila entrou em contato com autoras que a fizeram ter orgulho de suas raízes e não mais querer se manter invisível. Desde então, o diálogo com autoras como Chimamanda Ngozi Adichie, Bell hooks, Sueli Carneiro, Alice Walker, Toni Morrison e Conceição Evaristo é uma constante.
Muitos textos reagem a situações do cotidiano — o aumento da intolerância às religiões de matriz africana; os ataques a celebridades como Maju ou Serena Williams – a partir das quais Djamila destrincha conceitos como empoderamento feminino ou interseccionalidade. Ela também aborda temas como os limites da mobilização nas redes sociais, as políticas de cotas raciais e as origens do feminismo negro nos Estados Unidos e no Brasil, além de discutir a obra de autoras de referência para o feminismo, como Simone de Beauvoir.”

Veja agora!


5 – Djamila Ribeiro – Pequeno manual antirracista 

“Neste pequeno manual, a filósofa e ativista Djamila Ribeiro trata de temas como atualidade do racismo, negritude, branquitude, violência racial, cultura, desejos e afetos. Em onze capítulos curtos e contundentes, a autora apresenta caminhos de reflexão para aqueles que queiram aprofundar sua percepção sobre discriminações racistas estruturais e assumir a responsabilidade pela transformação do estado das coisas. Já há muitos anos se solidifica a percepção de que o racismo está arraigado em nossa sociedade, criando desigualdades e abismos sociais: trata-se de um sistema de opressão que nega direitos, e não um simples ato de vontade de um sujeito. Reconhecer as raízes e o impacto do racismo pode ser paralisante. Afinal, como enfrentar um monstro desse tamanho? Djamila Ribeiro argumenta que a prática antirracista é urgente e se dá nas atitudes mais cotidianas. E mais ainda: é uma luta de todas e todos.”

Leia agora mesmo!

QUE ESCRITORES NEGROS BRASILEIROS VOCÊ COSTUMA LER?
Conta pra gente!


CONTINUE NO NOSSO BLOG…

Livros Infantis: Dicas de leitura
Livros de Poesia para aquecer o coração
Ilustração: 5 Ilustradoras para seguir no instagram

Avatar
Fernanda Moraeshttps://blog.tattoo2me.com
Editora no Tattoo2me Magazine. Mãe do Zion e Jornalista, às vezes. Cultura Periférica, Indústria Cultural e Tatuagem.

Mais desse autor

Mais Recentes

Empreendedorismo e Tatuagem: gerenciamento de estúdio de tattoo

Bora entender um pouco como funcionam os bastidores da tatuagem? O foco principal desse artigo é empreendedorismo, marketing e gerenciamento.

Marcelo Paulino: um artista com uma missão

E dessa vez vou falar sobre um artista de um estilo que estou pouco acostumado: o gospel.

Uma jornada inesperada: Tatuagem e jogo de RPG

Acompanhe agora a saga de dois tatuadores iniciantes em um novo formato

Publicidade

Mais Populares

O significado da tatuagem de borboleta

Pra você que ama esse animal da nossa fauna e flora, vem ver qual o significado da tatuagem de borboleta carrega em seus desenhos! Você vai se surpreender!

Significado da tatuagem de Lobo

Conheça o significado da tatuagem de lobo e veja mais de 30 inspirações de tatuagens desse animal que chama tanto a nossa atenção e está presente em tantas histórias.

84 inspirações de tatuagens femininas

As tatuagens mais lindas que você vai ver hoje, e tudo isso para te inspirar na sua próxima tattoo.