Escritores negros brasileiros: uma lista e tanto

É preciso que os próprios negros escrevam suas histórias. Por isso, listamos nessa matéria escritores negros brasileiros e suas literaturas.

-

É preciso se sentir confortável e ter propriedade para se contar uma história. Ou para se contar a história. Ninguém melhor do que você para falar da sua vivência, da sua realidade e experiência, não é mesmo? Sempre dizemos isso aos artistas que conversamos: Ninguém melhor para falar de tatuagem do que os próprios tatuadores.
E aproveitando a visibilidade que o movimento Vidas Negras Importam, produzimos essa matéria para te indicar escritores negros brasileiros. Para além de qualquer movimento, é preciso que se leia esses escritores mesmo quando o assunto principal do livro não seja o racismo.

Vamos lembrar: desde sempre os escritores negros existem, né? Machado de Assis é um escritor bem fresco em nossa memória e que muitas pessoas nem sabem que ele era um homem negro. Mais recente ainda, temos: Abdias do Nascimento, Carolina Maria de Jesus, Milton Santos… E escritores muito, muito recentes, que vivem no mesmo momento que vivemos, como Conceição Evaristo, Elisa Lucinda, Djamila Ribeiro, Lázaro Ramos, Silvio Almeida, etc.

É uma infinidade de escritores negros brasileiros e queremos apresentar alguns deles à você! Afinal, a literatura negra também importa.


1 – Silvio Almeida – Racismo Estrutural

“Nos anos 1970, Kwame Turu e Charles Hamilton, no livro “Black Power”, apresentaram pela primeira vez o conceito de racismo institucional: muito mais do que a ação de indivíduos com motivações pessoais, o racismo está infiltrado nas instituições e na cultura, gerando condições deficitárias a priori para boa parte da população. É a partir desse conceito que o autor Silvio Almeida apresenta dados estatísticos e discute como o racismo está na estrutura social, política e econômica da sociedade brasileira.”

Saiba mais!


2 – Sueli Carneiro – Escritos de Uma Vida

“A mulher negra é a síntese de duas opressões, de duas contradições essenciais a opressão de gênero e a da raça. Isso resulta no tipo mais perverso de confinamento. Se a questão da mulher avança, o racismo vem e barra as negras. Se o racismo é burlado, geralmente quem se beneficia é o homem negro. Ser mulher negra é experimentar essa condição de asfixia social.”

Leia agora!


3 – Conceição Evaristo – Olhos D`água

“Em Olhos d’água, Conceição Evaristo ajusta o foco de seu interesse na população afro-brasileira abordando, sem meias palavras, a pobreza e a violência urbana que a acometem. Sem sentimentalismos, mas sempre incorporando a tessitura poética à ficção, seus contos apresentam uma significativa galeria de mulheres: Ana Davenga, a mendiga Duzu-Querença, Natalina, Luamanda, Cida, a menina Zaíta. Ou serão todas a mesma mulher, captada e recriada no caleidoscópio da literatura em variados instantâneos da vida? Elas diferem em idade e em conjunturas de experiências, mas compartilham da mesma vida de ferro, equilibrando-se na “frágil vara” que, lemos no conto “O Cooper de Cida”, é a “corda bamba do tempo”. Em Olhos d’água estão presentes mães, muitas mães. E também filhas, avós, amantes, homens e mulheres – todos evocados em seus vínculos e dilemas sociais, sexuais, existenciais, numa pluralidade e vulnerabilidade que constituem a humana condição. Sem quaisquer idealizações, são aqui recriadas com firmeza e talento as duras condições enfrentadas pela comunidade afro-brasileira.”

Compre agora!


4 – Djamila Ribeiro – Quem tem medo do feminismo negro? 

Quem tem medo do feminismo negro? reúne um longo ensaio autobiográfico inédito e uma seleção de artigos publicados por Djamila Ribeiro no blog da revista Carta Capital , entre 2014 e 2017. No texto de abertura, a filósofa e militante recupera memórias de seus anos de infância e adolescência para discutir o que chama de “silenciamento”, processo de apagamento da personalidade por que passou e que é um dos muitos resultados perniciosos da discriminação. Foi apenas no final da adolescência, ao trabalhar na Casa de Cultura da Mulher Negra, que Djamila entrou em contato com autoras que a fizeram ter orgulho de suas raízes e não mais querer se manter invisível. Desde então, o diálogo com autoras como Chimamanda Ngozi Adichie, Bell hooks, Sueli Carneiro, Alice Walker, Toni Morrison e Conceição Evaristo é uma constante.
Muitos textos reagem a situações do cotidiano — o aumento da intolerância às religiões de matriz africana; os ataques a celebridades como Maju ou Serena Williams – a partir das quais Djamila destrincha conceitos como empoderamento feminino ou interseccionalidade. Ela também aborda temas como os limites da mobilização nas redes sociais, as políticas de cotas raciais e as origens do feminismo negro nos Estados Unidos e no Brasil, além de discutir a obra de autoras de referência para o feminismo, como Simone de Beauvoir.”

Veja agora!


5 – Djamila Ribeiro – Pequeno manual antirracista 

“Neste pequeno manual, a filósofa e ativista Djamila Ribeiro trata de temas como atualidade do racismo, negritude, branquitude, violência racial, cultura, desejos e afetos. Em onze capítulos curtos e contundentes, a autora apresenta caminhos de reflexão para aqueles que queiram aprofundar sua percepção sobre discriminações racistas estruturais e assumir a responsabilidade pela transformação do estado das coisas. Já há muitos anos se solidifica a percepção de que o racismo está arraigado em nossa sociedade, criando desigualdades e abismos sociais: trata-se de um sistema de opressão que nega direitos, e não um simples ato de vontade de um sujeito. Reconhecer as raízes e o impacto do racismo pode ser paralisante. Afinal, como enfrentar um monstro desse tamanho? Djamila Ribeiro argumenta que a prática antirracista é urgente e se dá nas atitudes mais cotidianas. E mais ainda: é uma luta de todas e todos.”

Leia agora mesmo!

QUE ESCRITORES NEGROS BRASILEIROS VOCÊ COSTUMA LER?
Conta pra gente!


CONTINUE NO NOSSO BLOG…

Livros Infantis: Dicas de leitura
Livros de Poesia para aquecer o coração
Ilustração: 5 Ilustradoras para seguir no instagram

Avatar
Fernanda Moraeshttps://blog.tattoo2me.com
Editora no Tattoo2me Magazine. Mãe do Zion e Jornalista, às vezes. Cultura Periférica, Indústria Cultural e Tatuagem.

Mais desse autor

Mais Recentes

Tatuagens na Costela: vem ver essas ideias!

As tatuagens na Costela não são novidade e causam até um certo arrepio por conta da dor, não é? Mas essas inspirações vão fazer você querer a sua tattoo agora mesmo!

Tatuagens no ombro: como não se apaixonar?

As tatuagens no ombro estão com tudo! É muita ideia e muita inspiração para quem ama tatuagem nessa área do corpo.

Tatuagens no braço, antebraço e pulsos para te inspirar!

Além de estilos, significado de desenhos e histórias da tatuagem, algumas partes do corpo são muito buscadas, é o caso das tatuagens no braço!

Publicidade

Mais Populares

Tatuagem e doação de sangue, tudo que você precisa saber.

Quem tem tatuagem pode doar sangue? Saiba tudo sobre a doação de sangue.

Como cuidar da cicatrização da tatuagem

Confira nossas dicas para garantir sua tatuagem perfeita.

30 tatuagens em homenagem as mães e filhos.

Aquela lista que você não pediu, mas fizemos para falar de amor incondicional: tatuagens em homenagem as mães e filhos!